Brincando com as armas da Sétima Arte

FILME: Trovão Tropical (Tropic Thunder) EUA, 2008 – Comédia – 107 min. Matéria de Carlos Campos para o site “Claquete Virtual”, 2008.

Divulgação

Ben Stiller, astro de sucessos risonhos como “Uma Noite no Museu”, sempre foi um sujeito engraçado e bonachão. Olhando pra ele, superficialmente, fica difícil imaginar que o ator-comediante possa se aventurar em outro tipo de terreno – que não arranque risos rasgados do expectador. Mesmo sem se desprender deste “lado cômico”, Stiller consegue, sim, trilhar por caminhos diferentes (de vez em quando), migrando (inclusive) para atrás das câmeras e se aventurando, exemplarmente, em projetos alternativos. Vide este seu presente lançamento cinematográfico. “A inspiração para ‘Trovão Tropical’ vem de 1987”, intercede Stiller, protagonista e diretor desta inusitada empreitada. “Eu tinha ganhado um pequeno papel no longa-metragem de Steven Spielberg ‘O Império do Sol’. Naquela época, todos os meus amigos atores estavam trabalhando em filmes ambientados no Vietnã, como ‘Platoon’ (1986), e passando por treinamentos militares simulados. Durante as entrevistas, eles diziam: ‘Esse treinamento militar foi a coisa mais intensa da minha vida, a gente realmente se uniu como um grupo.’”, sorri Ben, seguindo com o relato:

“Era divertido ver (meros) atores falando sobre essa incrível e intensa experiência quando, na realidade, não era nada em comparação a ser um soldado de verdade e ir para a guerra. Esse tipo de atitude presunçosa era engraçado para mim. Eu só precisava encontrar uma forma de transformar isso num longa”, equaciona o autor, que prontamente se uniu ao parceiro Justin Theroux para tecer um roteiro que esboçasse as tais impressões “presunçosas” do futuro cineasta. “Por alguns meses, ficamos apenas com o primeiro ato e um esboço da trama”, lamenta Theroux, roteirista estreante. “O restante da história surgiu depois de certo tempo… Houve muitas versões dela ao longo de cinco anos”, ele relembra, falando do momento em que desenvolvia o árduo processo trocando e-mails com seu amigo cineasta – criando cenas mesmo morando em cidades distintas (aka bem distantes). Depois desta lenta etapa inicial, outro integrante se juntou a dupla para tentar desenvolver – e acelerar – o demorado script.

“O roteirista Etan Cohen uniu-se a nós e, então, aquilo se tornou uma espécie de atividade coletiva”, retoma Justin, agradecendo a providencial ajuda no desenvolvimento final do texto – que terminou levado às telas décadas depois, seguindo – fielmente – o retrato real/fictício que Stiller almejava reproduzir. “O resultado foi certamente influenciado por muitos filmes reais de guerra. Sou fã dessas produções!”, confirma o dono da cadeira de direção. “’Trovão Tropical’ tem início com uma gigantesca scene de batalha, com soldados correndo por toda a parte, helicópteros cruzando o céu e uma grande quantidade de fumaça. É tão verossímil quanto qualquer película passada no Vietnã”, entrega Jeff Mann, o desenhista de produção. “Você realmente sente que está assistindo a um produto de ação de alto orçamento”, acrescenta o produtor Stuart Cornfeld, animado com este expoente – fidedigno – obtido na recriação das cinematográficas seqüências bélicas. Feito realizado com o auxilio de diversos profissionais especializados na área “cine-guerristica”. “Ben queria que a abertura fosse a mais realista possível, como se os atores tivessem passado por um verdadeiro treinamento militar”, resume Mark Ebenhoch, funcionário da “Warrior Inc.”, empresa de consultoria militar que já prestou diversos serviços no front – avançado – da Sétima Arte, cuidando de obras como “Resgate do Soldado Ryan” e garantindo a legitimidade cênica desta relativa – estereotipada – paródia.

Seguindo as idéias descritas acima por Ben, “Trovão Tropical” conta a saga de um bando de atores “presunçosos” que, na vã tentativa de filmarem “o maior e mais realista filme de guerra da história”, acabam sendo confundidos com agentes reais – virando alvos de traficantes bem armados ao invadirem, sem saber, o território dominado pelo narcotráfico. Contudo, apesar da comicidade inerente desta “mortífera confusão” (bastante metalingüística), o preciosismo das citadas batalhas revelava, por si só, uma importante pretensão de Stiller. “Ele queria que todos entendessem que aquilo não era apenas uma comédia, mas também um filme de ação e não queria abrir mão de nada”, explica Eric McLeod, também produtor da atração, “mista”. Por isso, a escolha das locações acabou assumindo um papel vital na veracidade (e/ou grandiosidade) tão sonhada pelos realizadores deste título (na vertente mais engraçada de “Apocalypse Now”). “Consideramos, inicialmente, gravá-lo no sul da Califórnia, que serviria de Vietnã e Mianmar. Mas todos nós queríamos um visual singular, exuberante e diferente, em particular, e só o Hawaii ofereceria isso”. Invadindo a ilha havaiana com a “pompa” das mega produções, os produtores percorreram as ricas florestas nativas em busca por locais – ideais – para a construção dos sets da enorme “zona de guerra” – como queriam, seguindo a cartilha “armamentista” – idealizado pelo viés das “gags” referenciais. Reunindo um time de respeito e perfeitamente capacitado no famoso timing da comédia. Algo comprovado pelos consagrados co-protagonistas, Robert Downey Jr. (“Homem de Ferro”) e Jack Black (“Kung Fu Panda”).

“O que mais gosto em Jack é que ele é uma pessoa ímpar. Ninguém tem sua personalidade, sua veia cômica”, derrete-se Stiller, validando a (importante) aquisição. Uma valorização que vale igualmente para o colega Downey Jr. “Ele é um ator que pode fazer praticamente de tudo um pouco – comédia ou drama -, e, como Ben, é um mestre da improvisação”, muito elogia Theroux, justamente. Entretanto, McLeod faz questão de garantir o (devido) reconhecimento ao nome principal por detrás deste ‘Trovão Tropical’: “Ben desejou realizá-lo da melhor forma possível, e foi um dos caras que mais trabalharam pra isso. Ele deu importância a tudo, e, assistindo esse filme, o público verá como cada – pequeno – detalhe acabou sendo de suma importância”, engrandece o mesmo, ciente das capacidades criativas do comentado Stiller.

Fonte: Paramount Pictures

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Matérias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s