Misturando dourado mágico e vermelho demoníaco

FILME: Hellboy – O Exército Dourado (Hellboy 2: The Golden Army) EUA, 2008 – Aventura/Fantasia – 120 min. Resenha de Carlos Campos para o site “Claquete Virtual”, 2008.

Divulgação

Este é um blockbuster (atipicamente) alternativo. Tanto quanto era a série em quadrinhos do “vermelhão” título. Diferente de outras adaptações que buscam na Nona Arte ícones clássicos como Batman e Homem-Aranha, o longa de Guillermo Del Toro segura as pontas com uma figura pouco conhecida no meio – até entre os fanboys de carteirinha. Trazendo às telas um trabalho de vertentes autorais (já presentes no original criado por Mike Mignola em 1993) e bem alimentado pela – brilhante – pirotecnia artesanal (esta, a serviço da tal liberdade criativa). Assim, diferente dos semelhantes cinematográficos, “Hellboy II: O Exército Dourado” aposta forte no apuro do design tradicional (envolvendo efeitos de cenografia, maquiagem e bonecos). Deixando a CGI, tão difundida atualmente, restrita aos momentos onde ela acaba sendo – realmente – indispensável. Seguindo os paradigmas de seu elogiado “O Labirinto do Fauno” (ganhador, justamente, de três Oscars), Del Toro constrói um universo mágico riquíssimo em detalhes (aka níveis/significados multifacetados).

Passeando – livremente – num precioso limiar entre terror e conto pueril, o diretor mexicano concerta diversos erros (tipo, clichês aos montes) que prejudicaram seu primeiro “Hellboy”, lançado em 2004. Visivelmente envolvente e apostando (de vez) nas criaturas mágicas, a película usa o que a anterior tinha de melhor (um herói protagonista diferente/dignamente interpretado pela cara-metade Ron Perlman) e maximiza a nova fórmula com seqüências de ação empolgantes. Porém, aquém das batalhas épicas, algumas delas envolvendo “exércitos dourados” e monstros gigantescos, “Hellboy II” escancara (mesmo) o passeio pela “toca do coelho”. Aventurando-se – completamente – no mundo fantástico escondido sob os olhares humanos. Apresentando uma profusão de interessantíssimos seres míticos, sejam eles co-protagonistas, coadjuvantes ou reles figurantes. Todos devidamente retratados com esmero. Assim como o vasto multiverso (secreto e sagrado) que habitam, tão chamativo quanto.

Tudo mostrado com uma pegada – excepcionalmente – trabalhada de forma imaginativa. Da introdução ilustrativa aos profusos momentos de pura letargia, como a poética queda sob o carro e a beleza sublime dos últimos vestígios deixados/lançados pelo “Elemental” abatido. A magnitude desses quadros apenas esbanjam o nítido capricho na elaboração deste “panteão de aberrações”, não por acaso, a grande atração deste longa-metragem. Sobressaindo-se pelo aspecto visual, muito dos personagens também se destacam pela personalidade enlaçada à poderosa imagem que os revestem, como o “anjo da morte” e a “criança tumor”. Sem falar do próprio Hellboy, cada vez mais engraçado e debochado. Principalmente, nas tentativas de “se revelar” pra mídia. Na voz e na postura de Perlman, o agente demoníaco acerta – inclusive – nos acordes humanizados. Apesar de posar de “super-herói implacável” na hora da pancadaria (sem se amedrontar diante de cada “cara feia”). Além de sempre bem acompanhado pelos parceiros de investigação, com direito a cientista ectoplásmico (Seth McFarlane), uma adição ao grupo que luta contra as – prolíferas – ameaças apocalípticas.

Deixando ganchos para uma eventual terceira parte, o filme chega a partir de uma premissa inexistente nos quadrinhos homônimos, contando com um enredo (envolvendo uma iminente guerra entre “humanos X raças imaginárias”) desenvolvido exclusivamente pras telonas (com auxilio de Mignola em pessoa) – entregando uma colorida mitologia que consegue superar (amplamente) o longa anterior e honrar a versão impressa (jamais esquecida, independente dos “desvios” na narrativa). Algo que, só aumenta as expectativas pelos vindouros projetos de Guillermo (vide “O Hobbit”). Possibilitando – igualmente – um retorno aos redutos de Hellboy, futuramente (probabilidade já acenada pelos produtores, isso, desde que as bilheterias sejam condizentes, claro, com a excelência do presente conteúdo…). Uma “alternativa” muito bem-vinda as incontáveis HQs “menos pessoais” que adentram nossos cinemas, anualmente.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s