Dominando a adrenalina

FILME: O Procurado (Wanted) EUA, 2008 – Ação/Aventura – 110 min. Resenha de Carlos Campos para o site “Claquete Virtual”, 2008.

Divulgação

“Adrenalina” bem poderia ser o nome de batismo deste “O Procurado”. Adaptação da HQ homônima, escrita por Mark Miller e desenhada por J. G. Jones, o título despeja nas telonas várias seqüências (visceralmente) frenéticas – e absurdas, seja pelo viés do frenesi criado pela ação transloucada ou (diretamente) pelo sentido inverossímil da coisa, envolvendo manobras radicais “impossíveis” e balas que desviam de obstáculos para atingirem alvos encobertos (algo frontalmente contrário as leis da física). Tudo, evidentemente, condizente (e semelhante) com a sabida origem quadrinística do produto, elaborado numa “realidade” (propositadamente) exagerada – se inserido, com isso, num estilo bem alternativo dentro do gênero filmístico. Elaborando, assim, um conjunto extremamente atraente – e/ou diferente. Em parte, graças (igualmente) a uma contratação “incomum” (recuando no tempo) dentro de Hollywood – buscando em Moscou (!) um comandante “improvável” para guiar esta produção americanizada.

Dirigido pelo ótimo cineasta russo Timur Bekmambetov (o mesmo de “Guardiões da Noite”), a empreitada extrapola convenções na constante correria/tiroteios de sua trama recheada por assassinos profissionais e maçonarias secretas. Deixando os papéis protagonistas centrais para a dupla James McAvoy (“Desejo e Reparação”) e Angelina Jolie (“Tomb Raider”), ambos estão estonteantes nos respectivos (adequados) personagens. Ele interpreta um – traído – agente de seguros (“quase tendo um ataque de nervos”) que herda do pai as qualidades de “matador instintivo”, ela, por sua vez, assume o papel de uma (durona) agente que fala pouco, mas que sabe fazer-se notar – visivelmente – pela “postura” (aka boa compreensão física).

Angelina sempre conseguiu (e aqui não é diferente) impor suas heroínas nos cinemas, em muito, devido ao porte atlético (invejável) e a tal “atitude nata” tão marcante/característica na famosa esposa de Brad Pitt. Ou seja, sua notável participação em “O Procurado” não chega a surpreender ninguém, pelo contrário. McAvoy, entretanto, surge – positivamente – como uma autêntica surpresa, se saindo muito bem nesta “estréia” em blockbusters de verão cobertos por efeitos especiais. O ator escocês passa com méritos no difícil teste dos filmes pipoca, tendo que desenvolver uma transição gradual de “homem comum” para “super-herói” ao longo da corrida projeção tipo “arrasa-quarteirão”. Vale ressaltar também a presença onipresente de Morgan Freeman (de “Cavaleiro das Trevas”), o veterano ator esbanja segurança ao encarnar o chefão da mega-organização “Fraternidade”, revelando uma notória experiência nos papéis de chefia (afinal, na ficção ele já foi presidente dos EUA – e até Deus – no transcorrer da prolífera/aclamada carreira). Doravante o competente elenco estar, felizmente, sob a tutela de um cineasta extremamente competente. Timur (no bom sentido) é doido. Daqueles capazes de desenvolvê-la numa criatividade absurdamente saudável na enlouquecida Sétima Arte.

A forma arrojada com que o diretor filma e lida com os aspectos narrativos – sobretudo visuais – apenas reforçam os – multiplos – emblemas “diferenciados” descobertos no elogiado material original. Apesar de ostentar diferenças claras com relação à revista, o filme traduz algumas linguagens gráficas típicas da Nona Arte. Explorando, por exemplo, balões de pensamento (transformados em off) e – referencialmente – brincando com diversos aspectos textuais – vide a formação de novas palavras quando letras sortidas são misturas ao acaso (notem quando as peças do teclado se despedaçam no ar e como as manchetes de jornal entregam o nome da própria película). Tecnicamente interessante e bastante violento (principalmente no quesito “morte sanguinolenta”), “O Procurado” sofre um pouquinho – unicamente – nas semelhanças óbvias com “Matrix”, abusando do tal Bullet Time (que acelera e desacelera a imagem) tanto quanto na consagrada ficção científica dos irmãos Wachowski. Ademais, em determinado instante, McAvoy chega a brincar (rapidamente) com seus óculos (escuros), parecidíssimos (propositadamente?) com aqueles utilizados por Neo na citada aventura pós-apocalíptica.

Independente destas comparações (normais), sendo elas justas ou não, a verdade factual é que Timur e Cia garantem o “milagroso” espetáculo pirotécnico, segurando as peripécias num intrigante limiar-misto de veracidade e moderna fantasia. Corroborando para uma experiência megalomaníaca (e impactante) que, mesmo imperfeita, se torna suficientemente capacitada – levando-se em conta sua (justa) proposta de entretenimento descompromissado, extraído nas formas taquicardíacas mais despojadas (possíveis e impossíveis aos olhares da ciência), isso no cerne da cinematografia “completamente desenfreada”. Sem qualquer misericórdia.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Críticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s